04,Jun
Coluna

Doenças que assustam

coronavirus
Gerd Altmann-Pixabay

Provavelmente um dos grandes dilemas e desafios que assolam a humanidade é combater a autossuficiência que insiste em fazer morada em nós. Um sentimento silencioso e ao mesmo tempo traiçoeiro, mas que persegue a existência humana, fazendo com que nos percebamos donos de tudo e de todos. 

A cultura do poder, em todas as suas manifestações e formas, que envolve a alma humana, estabelece condições para a disseminação e proliferação do sentimento de autossuficiência. Acreditamos ser poderosos demais, acreditamos que conseguimos controlar tudo, que podemos tudo, que somos “espertos” demais.

Mas nem sempre é assim, a vida na sua dinâmica, que a cada dia se torna mais global, se encarrega de mostrar ao ser humano que ele é extremamente frágil, pequeno, e que nem sempre consegue controlar todas as situações que cercam a sua vida.

Vivemos uma pandemia provocado pelo Covid-19, o famoso coronavírus, estamos tensos, espantados, temerosos. O mundo lentamente está parando, a ordem é ficar em casa, evitar lugares com aglomerações de pessoas. Nossa fragilidade se estampa nos comunicados oficiais e nos noticiários. 

Não é a primeira vez e acredito que não será a última pois a história nos mostra que de tempos em tempos aparecem doenças que assustam a humanidade. Todavia, o que se percebe é que o tempo entre uma pandemia e outra parece a cada dia se encurtar mais. 

A humanidade vivenciou o tempo dos leprosos, da peste bubônica, da gripe espanhola, da gripe suína, do vírus ebola, entre tantas outras, que foram se juntando ao câncer, à diabetes, Alzheimer, enfim, a uma série de doenças que aos poucos estão se tornando cada vez mais presente entre nós. 

E todas elas sinalizam numa direção, por mais que estejamos evoluídos, desenvolvidos tecnológica e cientificamente, ainda somos incapazes de dominar tudo, quando achamos que estamos controlando o mundo que nos cerca, aparece algo que mostra o contrário. 

Isto possibilita uma nova oportunidade que a vida nos dá para repensar nossa existência, para pensar como estamos lidando com o mundo, como estamos vivendo, quais são nossos hábitos e costumes, como estamos tratando as pessoas, como estamos nos reconhecendo. 

Pode parecer clichê, mas é estranho demais como somos capazes de criar situações que nos colocam em perigo. Nossas ações, sempre pautadas num progresso que beira o egoísmo que leva ao olho por olho, dente por dente, acaba por criar cenários de desespero coletivo. 

As doenças assustam não porque são simplesmente doenças, mas porque invadem barracos e castelos, casebres e mansões. Elas assustam porque não escolhem grupos, pessoas ou situações, na verdade somos todos vulneráveis a elas, sendo suscetíveis aos seus efeitos. 

Só espero que a globalização das doenças nos permita globalizar a sabedoria humana também.

Walber Gonçalves de Souza

30 Posts

Coluna do Professor Walber

Walber Gonçalves de Souza, Doutor em Geografia:Tratamento da Informação Espacial (PUCMINAS); Mestre em Meio Ambiente e Sustentabilidade (UNEC); Especialista em Ciências do Ambiente (UNEC) e Maçonologia: História e Filosofia (UNINTER); Graduado em História (UNIFAI) e Graduando em Direito (UNEC). Revisor de vários periódicos científicos (parecer de artigos). Escritor e Palestrante. Professor da Fundação Educacional de Caratinga (FUNEC). Membro das Academias de Letras de Caratinga (ACL), Teófilo Otoni (ALTO) e Maçônica do Leste de Minas (AMLM). Colunista semanal dos jornais: Diário de Caratinga (MG), O Folha de Minas (MG) e Roraima em Tempo (Boa Vista/RR). Autor, coautor e organizador de várias obras literárias. Tem experiência na docência de temas ligados à Ciências Humanas. Trabalha com pesquisas voltadas para a Educação, História, Pensamento e Geografia Histórica.

Comentários