Coluna

JI: meio século de MPB

- Marineth, em primeira mão, para seu deleite, te conto que, em breve, muito em breve, ocê e uma legião de fãs e admiradores irão assistir show inédito e histórico que percorrerá palcos das capitais e principais cidades brasileiras. Trata-se do espetáculo comemorativo de meio século, ou seja, 50 anos, da carreira artística de um dos mais consagrados cantores: Jorginho do Império. É isso mesmo. O show terá o título de Jorginho do Império: Meio século de MPB. A largada será em 2 de dezembro, Dia Nacional do Samba, em conceituado teatro da Cidade do Rio de Janeiro.

- Athaliba, agradecida por me distinguir com essa espetacular notícia. Tô radiante, pois ele merece uma celebração gloriosa. Sou daquelas fãs agitadas que ficam molhadinhas e suadas ao assistir o show dele, principalmente na Feijoada da Império, no terceiro sábado de cada mês. Lá, ele canta saracoteando no meio do público, deixando-se fotografar entre abraços afetivos sempre esbanjando simpatia. Não deixe, por favor, de me enviar convite para o show dos 50 anos. Já tô arrepiada só de pensar em me ver naquele burburinho do gargarejo em frente do palco. 

Jorginho do Império
Jorginho do Império é sempre cercado pelo público com carinho, como no show na cidade mineira de Senador  Firmino / Foto: Lenin Novaes - 

- Marineth, ocê não precisa ficar tão assanhada assim, escancarando sua admiração pelo artista. Resguarde-se de maneira bem reservada. O show, com certeza, tocará de forma profunda o emocional do público em geral. O espetáculo apresentará retrospectiva de atividades dedicadas à MPB em décadas. Em verdade, bem antes do registro do primeiro disco gravado, Quem quiser pode ir, em 1971. Essa data sinaliza o marco de início da carreira dele como cantor, no entanto, começou a trajetória anos antes. Até mesmo anterior à integração do grupo de instrumentistas que gravava disco e acompanhava Martinho da Vila nos shows realizados por esse Brasil. Aliás, o Martinho da Vila é o ídolo declarado de Jorginho do Império no universo musical brasileiro.

- Afinal, Athaliba dos Anjos, qual pode ser considerada a marca de início da vida artística do Jorginho do Império?

- Minha querida Marineth Moura, cúmplice de inconfessáveis confidências. Podemos dizer que a carreira artística, convencionalmente, começou com a gravação do disco em 1971. Porém, ele carrega o DNA do pai, Décio Antônio Carlos, o mestre Mano Décio da Viola, compositor de sambas antológicos, como “Heróis da liberdade”, parceria de Silas de Oliveira e Manoel Ferreira. E, além disso, nasceu num dia de Carnaval, 13/2. Como se isso não bastasse, teve na infância e adolescência o privilégio de aprender os fundamentos do samba, nosso maior patrimônio cultural popular, com os bambas da Império Serrano. Enfim, ele nasceu sob os fluídos do brilho da lua.

- Oh sorte! Athaliba, como diria teu amigo, o baterista e compositor Wilson das Neves, que também bebeu da fonte da verde-e-branco de Madureira nos seus áureos tempos de glória.

- É verdade, Marineth. O berço de Jorge Antônio Carlos foi a Império Serrano. Incursionou por todos os setores da agremiação carnavalesca, tornando-se exímio ritmista e, claro, excelente passista, notabilizando-se na famosa ala “Sente o drama”.  E a artéria do canto entoando sambas de terreiro se consolidou interpretando samba-enredo no desfile da Império Serrano.

- Athaliba, esses aspectos farão parte do roteiro do show comemorativo dos 50 anos?

- Marineth, a concepção do espetáculo está centrada em discorrer sobre acontecimentos marcantes da vida e da trajetória artística do Jorginho do Império. Será, portanto, uma leitura das facetas que ele desempenha com talento em múltiplas variante no cenário da música popular. E isso através das músicas selecionadas num extenso repertório acumulado em dezenas de discos que gravou.

- Athaliba, o show resultará em produto para acervo da história da MPB e do Rio?

- Marineth, esse show de celebração de fato histórico só tem sentido real de ser realizado se houver comprometimento em registrá-lo à posteridade. E isso acontecerá com a gravação para edição de DVD. Também haverá registro biográfico de Jorginho do Império em publicação com as letras de músicas do repertório do espetáculo para distribuição ao público. A produção do show, além disso, buscará parceria com emissora de televisão para gravar e exibir, posteriormente, o espetáculo em rede nacional. Assim, atingirá o público em geral por todos os cantos do Brasil.

- Athaliba, desde já manifesto votos de felicidade ao Jorginho pela celebração dos 50 anos de carreira e desejo boa sorte ao organizador do evento. Aliás, já tem patrocínio garantido?

- Marineth, representante de importante órgão público que apoia a cultura popular bateu o martelo assegurando promoção máster. Portanto, daqui prá frente a tarefa é deflagrar o show! 

Lenin Novaes

202 Posts

Crônicas do Athaliba

LENIN NOVAES jornalista e produtor cultural. É co-autor do livro Cantando para não enlouquecer, biografia da cantora Elza Soares, com José Louzeiro. Criou e promoveu o Concurso Nacional de Poesia para jornalistas, em homenagem ao poeta Carlos Drummond de Andrade. É um dos coordenadores do Festival de Choro do Rio, realizado pelo Museu da Imagem e do Som - MIS

Comentários