Coluna

BAR DEGRAU

O “Degrau” era um dos bares tradicionais em que a boemia artística e intelectual carioca se reunia nas madrugadas na zona sul do Rio de Janeiro, nos anos 60 e 70. 

O bar e restaurante foi fundado em 1963, com o nome “Progresso”. Em sua localização original, no outro lado da Av. Ataulfo de Paiva, no Leblon. 

Entre os habitués havia a turma do cartunista do jornal “O Globo”, Otélo Caçador: Luiz Jatobá, Silveira Sampaio, Dorival Caymmi, Vinicius de Moraes, Ary Barroso, Sérgio Porto, Antônio Maria e Lúcio Rangel, entre outros.

Havia um degrau na entrada que todo mundo tropeçava. Em uma entrevista que fizemos - eu, Jaguar, Ferreth, Leonardo e Ykenga -, no próprio bar, com  Otélo,  ele contou:

“Eu marcava encontro com o Lúcio Rangel e dizia: ‘Lá no "Degrau". Aquele bar que tem um degrau.’ Porque tinha um degrau que todo mundo caía, ou na entrada ou na saída. O que “inspirou” o novo nome, adotado oficialmente pelos donos, em 1970”.

Além da turma do Otélo, frequentavam o boteco nomes como Jaguar,  Ronald de Chevalier, o Roniquito, irmão de Scarlet Moon, ex-mulher do cantor Lulu Santos; o escritor Carlinhos Oliveira e, o mais famoso deles, o cantor João Gilberto.

Com fama de recluso, João Gilberto pouco aparecia no bar. Ele mal saía de casa. Poucos vizinhos, na Rua Carlos Góis, no Leblon, sabiam que o músico morava no apartamento 802. Menos pessoas ainda tiveram a chance de vê-lo nas ruas do bairro. Naquela época, os repórteres faziam vigília na portaria do prédio, no dia do aniversário dele. Mas não adiantava nada, porque ele nunca aparecia.

BAR DEGRAU
Foto: Ediel Ribeiro, Otélo Caçador, Ferreth, Ykenga e Jaguar. (Arquivo) 

O "Degrau" era o bar preferido do artista. João Gilberto almoçou e jantou lá por mais de 40 anos. Não pessoalmente. Todos os dias, ele ligava para o local e pedia suas refeições à mesma pessoa: Sebastião Alves, seu garçom favorito no restaurante. Depois de quatro décadas - com uma paixão em comum, o Vasco da Gama - eles se tornaram amigos.

Tiãozinho - como o cantor costumava chamá-lo - lembra da última refeição do artista:

“Na véspera de sua morte, ele pediu salmão no almoço e filé com arroz e feijão no jantar. Cheguei a falar com ele uma hora antes dele morrer. Era uma pessoa muito bacana e carinhosa. Quando eu deixava a comida, ele fazia questão de esperar a porta do elevador fechar para depois fechar a porta de casa”, relembra.

O ‘pai’ da Bossa Nova tinha suas extravagâncias. Até pouco tempo antes de sua morte, João costumava pedir até três garrafas por dia de Pêra Manca, um vinho português cuja garrafa custava  R$ 398 no "Degrau". 

No ‘Degrau’, histórias não faltavam. Uma dessas histórias, conta a briga entre Otélo e Roniquito:

Roniquito era tão corajoso quanto frágil fisicamente. Em uma briga que  teve com o cartunista levou a maior surra de sua vida. Enquanto espancava Roniquito, Otélo perguntou-lhe: "Chega ou quer mais?". E Roniquito, no chão, com o sapato do Otélo sobre seu pescoço, ainda conseguiu olhar para cima e articular: "Cansou, filho da puta?".

Outra que se passou no "Degrau" - o humorista Luiz Carlos Miéle, diz que foi no 'Antonio' s'. Mas, quem me contou foi o cartunista Jaguar, outro sobrevivente daquela brava geração etílica. Então, foi no "Degrau".

“Ele era um suicida”, define o cartunista. “Quando não tinha ninguém para esculhambar, esculhambava o copo”, exagera. Certa vez estavamos os dois sentados no bar "Degrau", depois de extensa via-sacra pelos botecos da Zona Sul, quando se aproximou da mesa uma madame falando maravilhas de um espetáculo que acabara de assistir, do coreógrafo Maurice Béjart. “Eu amo Béjart, ele é divino”, dizia. 

Roniquito, possuído, desbancou a granfina: “Eu acho Béjart uma merda, eu gosto é de Fudet”.

A madame, indignada:

- Que grossura! Estou falando do coreógrafo Maurice Béjart!

E Roniquito na maior candura:

- E eu do bailarino Pierre Foudet!

Evidentemente, só ele conhecia o tal bailarino.

No ano passado, o bar pegou fogo. Nada muito grave. Nem o fogo foi capaz de apagar as histórias do "Degrau".

O bar reabriu logo depois.

Ediel Ribeiro (RJ)

493 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários