Coluna

AUTOELOGIO

HOMEM DE BRAÇOS ABERTOS EM MONTANHA
Foto: Jason Hogan on Unsplash - 

Nossa sociedade, pode-se dizer, vive o Narcisismo, não olhando a própria face no espelho d’água, ou depois da chuveirada no espelho do banheiro. O Narcisismo está espelhado nos textões, ou nos textinhos que são exibidos nas redes sociais.

Seria como um Narcisismo às avessas; exibe-se o que não tem, a partir de considerações que não existem em lugar nenhum, apenas o eco vazio das cabeças que acham conter algum conhecimento.

Nosso Narcisismo é o Achismo em alto grau de depravação intelectual.

O Autoelogio está implícito quando não se reconhece o erro, mantém-se o erro, escondendo a cara vermelha de vergonha por trás do anonimato das redes. A Internet encontrou o vírus ou se tornou o vírus destruidor dos nossos sonhos inalcançáveis. Inalcançáveis porque, hoje, tendo em vista o espalhamento global das ideias sem fundamento, baseadas no achismo narciso, vai gerar, implacavelmente, na divisão do mundo entre os que estudam, os que não estudam e os que acham que estudam, preenchendo sua intelectualidade com fragmentos contidos em memes. Processos concisos de ideias sem sentido. O meme responde a todas as perguntas, para quem não quer respondê-las, apenas criar a confusão.

O Narcisismo atual se resume a responder questionamentos fundamentados em retiradas de peças da narrativa do oponente, e respostas rasas com memes rasos.

O “estudioso”, o “especialista” se contorce para comprovar o improvável, apenas porque se autoelogia, guiando um grupo de insanos e zumbis, gerando valor para si mesmo, alimentando a idiotice em busca de justificativa para comprovar o eco dos seus pensamentos.

O mundo não é cruel, a História não é cruel, cruel é a vontade de não entender o mundo e não aceitar a História, quando ela não concorda com o Narcisismo do achismo, quando ela não vai ao encontro do mundo ideal de cada indivíduo.

O Narciso pós-moderno se olha no espelho do achismo, se autoelogiando por dizer coisas que não entende, logo, ele não se vê para se autoelogiar e admirar, ele vê uma outra pessoa que não é ele, mas que ele gostaria que fosse.

E nada melhor do que o anonimato que esconde dos outros a vergonha que poderia sentir. Se não gosta do que ouve como resposta, ele cancela, e passa para um outro espelho onde possa se ver como ele se supõe ser.

O problema do Narcisismo pós-moderno é que as bolhas de autoelogio se encontram, e passam a se admirar, sem perceber ou percebendo que o melhor espelho para esse Narciso é o autoelogio que as bolhas fazem de si mesmo.

Narciso pouco se importou com a opinião de outros, contentou-se com ele mesmo. O Narciso pós-moderno precisa do outro para convencer a ele mesmo que está certo, ou, pelo menos, o que ele desejaria que os outros pensassem sobre ele.

Nilson Lattari

310 Posts

Crônicas e Contos

NILSON LATTARI é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br, vencedor duas vezes do Prêmio UFF de Literatura (2011 e 2014) e Prêmio Darcy Ribeiro (Ribeirão Preto 2014). Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em crônicas, contos e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. "Ambos levam ao infinito, porém, em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação".

Comentários