Coluna

O general “cômico” do mito

- Marineth, à boca pequena, o Eduardo Pazuello, general do Exército, é achincalhado na caserna como milico cômico do mito pés de barro que ocupa a presidência da pátria amada. Na tentativa de espaçar de severa punição por transgredir o regulamento militar ao participar de ato público no Rio de Janeiro, dia 23/5, sem a máscara de proteção ao COVID-19, o ex-ministro da Saúde (demitido por incapacidade) ganhou frágil proteção. A partir de 1º/6, conforme edição extra do Diário Oficial da União, ele tem a função de secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. Foi premiado pela subserviência.

- Sabe, Athaliba, “casadinho dorme junto e de conchinha”. Ocê não acha que isso é melhor do que “papagaio que acompanha João-de-Barro virar ajudante de pedreiro”?

- Marineth, o trem é doido. Comentários de internautas no pé da notícia sobre o retorno ao governo do general de três estrelas na ombreira, em alguns sites, estão sintonizados com ambos os sentidos da sua observação. Tem quem sugeriu à primeira-dama ficar esperta. Será que ela é ciumenta? O fato é que o comando do Exército tem um pepino nas mãos para fatiar ou engolir a seco. Como observou o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), vice-presidente, “o Pazuello sabe que errou ao participar de ato político, colocou a cabeça dele no cutelo; é provável que seja punido, mas isso é uma questão interna do Exército. Ele também pode pedir transferência para a reserva e aí atenuar o problema”.

- Sei não, Athaliba. Desconfio que o Pazuello seja punido. O corporativismo no oficialato é como nó de linha de tecelão. Na maior cara de pau ele alegou não ter participado de “ato político-partidário pró-governo e que o presidente não tem filiação a partido político”. Escárnio!

PAZUELO
O general Pazuello, junto ao presidente em manifestaçao no RJ, ambos sem a máscara de proteção ao COVID, é o pivô da grave crise entre o Planaldo e o Exército. (Reprodução)

- Marineth, muito calma nessa hora. É preciso ter paciência de Jó. Aguardemos a decisão do comando do Exército sobre a abertura do procedimento disciplinar militar contra o general. Por certo ele não escapará das novas interrogações na CPI do COVID-19, no Senado, que apura as omissões do governo na crise sanitária da pandemia que já causou a morte de mais de 460.000 pessoas no Brasil. Ele foi reconvocado e, ao contrário da primeira vez, senadores esperam tirar a verdade das entranhas do ex-ministro da Saúde sobre negligência na pandemia. Antes ele entrou em contradições sobre atraso na aquisição de vacinas na obediência cega ao mito pés de barro à recomendação do governo para o uso da hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19.

- Athaliba, será que o general cômico poderá prestar serviço de excelência à pátria amada na Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República? Ele foi o terceiro dos quatro ministros da Saúde na atual gestão e acabou sendo demitido em março passado por total falta de experiência em saúde pública. Não passou de pau mandado do mito pés de barro.

- Marineth, comprovadamente, não se pode esperar eficiência dele na nova função ganha de mão-beijada. A nomeação teve portaria assinada na edição extra do Diário Oficial da União pelo general da reserva Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, ministro-chefe da Casa Civil. Ele, antes, era ministro-chefe da Secretaria de Governo. Pazuello ficará vassalo do almirante Flávio Augusto Viana Rocha, secretário de Assuntos Estratégicos, no Palácio do Planalto, em Brasília.

- Athaliba, é verdade que o mito pés de barro disse ao comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, natural de Iguatu, no Ceará, que não quer que o Pazuello seja punido por ter participado do ato pró-governo e, assim, ter transgredido o regulamento militar?

- Marineth, o jornal Folha de São Paulo publicou notícia à qual o mito pés de barro anseia livrar o ex-ministro da Saúde de qualquer punição. Ele, na recente viagem com o Paulo Oliveira a cidade de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, para inaugurar ponte de 20 metros, fez apelo nesse sentido. Integrava a comitiva os generais Walter Braga Neto, ministro da Defesa; e o Luiz Ramos, ministro da Casa Civil. Ambos com quatro estrelas na ombreira não teriam gostado do pedido. O caso aprofunda a crise entre o Planalto e o Exército, instituição da qual o presidente foi colocado na reserva como capitão, em 1988.

- Athaliba, seguinte: o povo brasileiro exige um basta à crise, considerando, inclusive, que é a força produtiva dos trabalhadores que garante a existência das forças armadas no país.

- Vamos aguardar Marineth a decisão do colegiado de 15 generais de quatro estrelas que forma o alto-comando do Exército se o Pazuello receberá repreensão por escrito ou até mesmo ordem de prisão por 30 dias em um quartel. Simples assim (plagiando Pazuello), amiga!

Lenin Novaes

115 Posts

Crônicas do Athaliba

LENIN NOVAES jornalista e produtor cultural. É co-autor do livro Cantando para não enlouquecer, biografia da cantora Elza Soares, com José Louzeiro. Criou e promoveu o Concurso Nacional de Poesia para jornalistas, em homenagem ao poeta Carlos Drummond de Andrade. É um dos coordenadores do Festival de Choro do Rio, realizado pelo Museu da Imagem e do Som - MIS

Comentários