Coluna

Educação: para quê e para quem?

Imagem ilustrativa

Começarei esse artigo apresentando algumas interrogações sobre a educação brasileira que muita gente deve ter: de início poderíamos questionar o que se quer com a educação brasileira? A quem ela serve? Quais são seus verdadeiros propósitos? A educação brasileira é um projeto de Estado e de desenvolvimento humano e social? Ou um projeto de governo? Respondidas essas primeiras questões deixo uma última, que também merece estar no centro das nossas atenções: onde estudam os filhos da maioria dos nossos nobres políticos, funcionários públicos do alto escalão e empresários que conquistaram um patamar mínimo de sucesso em seus empreendimentos? 

Comecei este artigo com perguntas pois acredito que no cerne e confluência de todas as respostas que delas podem surgir, provavelmente aparecerá a explicação do tamanho descaso que se mantém com a educação pública brasileira, haja visto a novela criada em relação ao FUNDEB (Fundo Nacional da Educação Básica). 

Vivemos claramente dentro do Brasil, dois países totalmente distintos. Não me refiro somente a questões políticas, mas principalmente às sociais. Tudo aqui escancara nossa complexidade social e demonstra o abismo social que divide nossa sociedade. Com a educação não é diferente. 

Nossa educação, principalmente a pública, é tratada de uma forma tão sem valor, que todas as discussões que giram em torno dela parecem não apresentar absolutamente nada, inclusive pela própria sociedade. Trata-se a educação como se ela fosse uma coisa qualquer, algo que não representa nada, simplesmente um gasto desnecessário ou um depósito de crianças e adolescentes. E de governo em governo nunca presenciamos de fato uma educação pública efetivamente de qualidade que atendesse a população. A não ser, como toda exceção da regra, uma escola aqui e outra acolá. 

Com o FUNDEB não foi diferente, uma discussão que se arrasta há anos, que ganhou notoriedade nas últimas semanas, transformou-se em palanque político, mas o cerne da questão mesmo, continua inalterado: que é a gestão eficaz do recurso em prol da sua finalidade que é promover o desenvolvimento das pessoas e do país.

Como não temos um projeto de educação pública para a nação, como não sabemos o que queremos com a nossa educação, o rumo que ela vai tomar tanto faz. Por isso, cada governo acredita realmente que pode fazer dela sua arma ideológica de controle social. Nossas escolas não fazem e nem tão pouco propõem o desenvolvimento científico e humano, mas sim vivem repletas de tudo aquilo que não vai levar a lugar nenhum, até que venha o próximo governante e o seu mandato, trazendo sempre uma nova ideia mirabolante de desconstrução daquilo que nunca foi construído. 

Podemos afirmar com toda certeza, nossa educação está longe, muito longe, de atender minimamente o que apregoa a nossa Carta Magna, ser uma educação pública, universal e de qualidade. Infelizmente, ela ainda é usada para manter as desigualdades e não como meio de transformação. Mesmo que digam o contrário a realidade está aí como a maior prova.

Walber Gonçalves de Souza

71 Posts

Coluna do Professor Walber

Walber Gonçalves de Souza, Doutor em Geografia:Tratamento da Informação Espacial (PUCMINAS); Mestre em Meio Ambiente e Sustentabilidade (UNEC); Especialista em Ciências do Ambiente (UNEC) e Maçonologia: História e Filosofia (UNINTER); Graduado em História (UNIFAI) e Graduando em Direito (UNEC). Revisor de vários periódicos científicos (parecer de artigos). Escritor e Palestrante. Professor da Fundação Educacional de Caratinga (FUNEC). Membro das Academias de Letras de Caratinga (ACL), Teófilo Otoni (ALTO) e Maçônica do Leste de Minas (AMLM). Colunista semanal dos jornais: Diário de Caratinga (MG), O Folha de Minas (MG) e Roraima em Tempo (Boa Vista/RR). Autor, coautor e organizador de várias obras literárias. Tem experiência na docência de temas ligados à Ciências Humanas. Trabalha com pesquisas voltadas para a Educação, História, Pensamento e Geografia Histórica.

Comentários