Coluna

WILLIAM MEDEIROS, ENTRE TRAÇOS E TINTAS

Rio de Janeiro - Meu caso com William Medeiros (calma, evite o pânico) começou há muito tempo atrás.

1991. Eu era editor do jornal “Cartoon” e o William (então, um garoto com seus 24 anos) me mandou uma porrada de desenhos da Paraíba. Só perdia - no exagero - para o Fred (outro paraibano bom de traço) e o carioca Amorim.

Não publico seu cartum aqui, não por falta de espaço, mas porque perdi meu último exemplar num desses porres da vida.

O “Cartoon” devia fazer muito sucesso na Paraíba. Vinham muitas cartas e trabalhos de lá. Até hoje não sei como eles conseguiam o jornal. Que eu saiba, o jornal só circulou no Rio de Janeiro e em São Paulo. Não havia internet ainda.

William Medeiros - autocaricatura
William Medeiros - autocaricatura

William nasceu na cidade de Campina Grande, na Paraíba, em 24 de junho de 1967. Desde 1988 está radicado na capital paraibana. Aos 15 anos, publicou seus primeiros trabalhos no jornal “Diário da Borborema”. Começava aí uma grande carreira na imprensa brasileira.

Publicou, também, nos jornais “Última Hora”, “Pasquim”, “Cartoon”, “Tribuna do Sabugi” e nas revistas “Brasília em Dia”, “A Carta” e “Você S/A”, da editora Abril.

Em 1986, estreia em salões de humor com o 1º lugar em Caricatura no I Salão Paraibano de Humor de João Pessoa (PB). William pegou o gosto e, a partir daí, tornou-se assíduo frequentador e ganhador de salões de humor pelo país.

É selecionado no Salão de Humor do Piauí. Premiado em Piracicaba, Natal, Fortaleza, Porto Alegre, Aracajú, Amazônia e João Pessoa.

É membro honorário (participou de todas) das FlashExpo, exposições itinerantes criadas e organizadas pelo cartunista José Alberto Lovetro, o JAL.

Voltei a encontrar William em 2010, quando tive minha tira “Patty & Fatty”, selecionada no Salão de Humor de Piracicaba. Eu estava estreando no famoso Salão de Humor paulistano e ele já era um veterano.

Ficamos no hotel Beira-Rio Palace, próximo ao Salão e onde estavam reunidos vários cartunistas que iriam participar do Salão de Humor daquele ano.

Tremendamente simpático, generoso e bom de copo ficamos eu, ele, Nei Lima, Luiz Carlos Fernandes, Carlinhos Muller, Paulo Sergio Jindelt e Glen Batoca, enchendo os cornos e batendo papo no bar do hotel, até altas horas da madrugada.

Luiz Carlos Fernandes, William, Nei Lima, Ediel, Carlinhos Muller e Paulo Sérgio Jindelt
Luiz Carlos Fernandes, William, Nei Lima, Ediel, Carlinhos Muller e Paulo Sérgio Jindelt. (Arquivo)

Até que a esposa de um deles desceu e botou o boêmio para dormir, acabando a farra.

Em 2013 ele me enviou da Paraíba, um exemplar do gostoso “Traços e Tintas” seu primeiro livro de cartuns onde ele resume sua trajetória na arte. No mesmo ano, foi um dos artistas selecionado para estar entre os homenageados do 40º Salão de Humor de Piracicaba.

Atualmente, William trabalha no “Jornal da Paraíba” onde atua como ilustrador e consultor de projetos.

Sem abandonar os traços e as tintas.

Ediel Ribeiro (RJ)

662 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários


  • 18-07-2020 14:52:14 William Jeovah de Medeiros

    Grande amigo e super cartunista Ediel. Agradeço demais por esse texto que traz boas lembranças daquele salão de humor, onde pude conhecer pessoalmente grandes mestres do humor gráfico brasileiro que me inspiram sempre. Só atualizando o texto, o Jornal da Paraíba, onde publiquei por 18 anos já não existe mais, como (infelizmente) grande parte dos jornais onde muitos dos nossos colegas publicavam. Sigamos nossa profissão, sempre "correndo riscos" em nome da liberdade de expressão e valorização da nossa arte. Forte abraço!