Coluna

OS MARAVILHOSOS ANOS 70

Divulgação

Rio - Se você é “velhão”, como eu, certamente curtiu os grandes bailes dos anos 70.

Eu era um dos que dançava nos clubes de rosto colado, ao som de “My Mistake” (Meu Erro), sem saber que a música dos “Pholhas” contava a história de um assassinato passional, do ponto do vista do assassino, que estava preso. Um dos versos dizia: “Eu fui mandado para a prisão por ter assassinado minha esposa, porque ela estava saindo com outro. Eu perdi a cabeça e atirei nela.”

Os "Pholhas" eram a minha banda preferida. Mas diversos outros artistas alcançaram o estrelato, na época, compondo e cantando em inglês, usando pseudônimos, uma grande jogada dos executivos das gravadoras brasileiras para burlar os direitos autorais. 

Na época, discos com trilhas de novelas eram um enorme sucesso. As novelas da Globo tinham dois discos: um com a trilha nacional, outro com a trilha internacional.

Muitos artistas começaram as carreiras cantando em inglês nestes discos.

‘Steve McLean’ era o pseudônimo com o qual Hélio Eduardo da Costa Manso  estourou em todo o Brasil com a música "True Love", tema da novela O Grito (1975).

"Sweet Sounds, oh Beautiful Music", foi outro sucesso seu na novela Locomotivas (1977). 

‘Richard Young’  - na verdade,  Ricardo Feghalli, da banda Roupa Nova - fez sucesso com "Rainy Day", tema do personagem de Dênis Carvalho na novela Locomotivas (1977). 

‘Paul Denver’ era o nome artístico de Carlos Alberto de Souza, cantor de “Rain and Memories”, considerada uma das mais belas músicas dessa safra de brasileiros cantando em inglês.

'Dave Maclean' autor do hit “Me and You”, da novela ‘Os Ossos do Barão’ (1973), era José Carlos González  que alcançou o sucesso cantando em inglês, primeiro com sua banda "The Buttons", depois em carreira solo.

'Chrystian' era o goiano José Pereira da Silva Neto. Sua música de estreia "Don’t Say Goodbye", foi tema de Tarcísio Meira e Glória Menezes na novela global Cavalo de Aço (1973). Chrystian não podia aparecer na televisão, nem na capa do seu próprio disco para que não descobrissem que o ídolo era, na verdade, brasileiro. 

“My love for you” e “One Day Your Life” foram músicas gravadas por 'Ralf', o irmão do Chrystian - da dupla sertaneja Chrystian & Ralf, sucesso nos anos 80 - que nos anos 1970 usava o nome artístico de 'Don Elliot'. Ambos começaram nos anos 70 cantando em inglês. 

Fábio Júnior também gravava em inglês sob o pseudônimo de 'Mark Davis'. "Don’t Let Me Cry", da novela A Barba Azul (1974) da TV Tupi, foi seu maior sucesso nessa época. Depois usou o nome de 'Uncle Jack', que também fez sucesso com a música “Sweet Daisy”. 

Jessé foi revelado ao grande público em 1980, no Festival MPB Shell, com a música Porto Solidão. Mas, antes disso, cantou pequenas obras primas em inglês sob o pseudônimo de ‘Tony Stevens’, entre elas “If You Could Remember” e “Flying High”. 

‘Morris Albert’ era o heterônimo do paulistano Maurício Alberto Kaisermann. Sua música  ‘Feelings’, de 1974,  foi sucesso em mais de 50 países e versões foram gravadas por Julio Iglesias, Barbara Streisand, Shirley Bassey, Andy Williams, Ella Fitzgerald, Nina Simone, Richard Clayderman e até pela banda The Offspring, numa versão punk. Além de "Feelings", Morris Albert fez sucesso também com "She's My Girl", e vendeu mais de 160 milhões de discos (entre singles, álbuns e coletâneas) em todo mundo.

Ediel Ribeiro (RJ)

661 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários