Coluna

LAGE, O SAMPAOLI DO BOTAFOGO

Rio de Janeiro - O português Bruno Lage é o Jorge Sampaoli do Botafogo.

Lage está mais perdido que filho de puta em festa do dia dos pais. Perdidão, o lusitano está transformando a ‘equipa’ do Botafogo numa carroça sem freio, desgovernado, ladeira abaixo.

Jogando mal e há cinco jogos sem ganhar de ninguém, tirar pontos do Botafogo, hoje, é mais fácil que empurrar bêbado na ladeira. 

Lage foi contratado para substituir Luís Castro, técnico que  deu qualidade ao time, deixando-o pronto para ser campeão. Ou seja, foi contratado para não mexer no time, na preparação, na tática, no sistema, nos jogadores, como fez o Caçapa.

Reprodução - 

Mas o português incorporou o espírito do andarilho carequinha do Flamengo e bagunçou o time todo. Lage, imbuído da vaidade de não ser apenas um continuador da obra do Luís Castro, quis inventar a roda num time arrumado, pronto, jogando por música. 

Revirou o time, inventou e transmitiu insegurança pros jogadores. 

E pior: contra o Flamengo ele botou o Segovinha para marcar o Bruno Henrique. Contra o Goiás, inventou Tchê Tchê como lateral-direito e barrou Tiquinho Soares, artilheiro e ídolo do time. 

Apesar dos erros gritantes, ele faz discurso arrogante e ilusório de que está tudo bem e no fim o alvi-negro será o campeão. Não será. 

Lage tá pedindo para perder não só o campeonato, mas também o emprego. No jogo de ontem, pior que a ausência de Tiquinho foi a presença de Diego Costa  no comando do ataque. Ainda com 10 minutos, Diego teve uma chance clara de marcar, cara a cara com o goleiro do Goiás, mas chutou em cima de Tadeu quase na marca do pênalti. E foi só.

O português foi muito xingado pela torcida no empate com o Goiás, principalmente pela decisão de barrar Tiquinho. Ao notar a besteira que fez, Bruno Lage tentou voltar com Tiquinho. Era tarde. 

O esquema de jogo do treinador português já se mostrou mais inútil que papel na testa para curar soluço. Para ser campeão, o Botafogo  precisará reinventar o time que foi perdido.

 

Ediel Ribeiro (RJ)

662 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários