Coluna

Aborto: um debate necessário

mulher gravoda
Imagem Ilustrativa

Muitos temas que fazem parte do cotidiano e são de pertinência social ainda são vistos como tabus pela sociedade brasileira. O aborto, sem sombra de dúvidas é um desses temas. Ainda preferimos o silêncio, mas geralmente quando ele é quebrado, acontece de forma rasa, como se fosse um convite para o retorno ao silêncio. 
Enfim, o aborto é indiscutivelmente um tema polêmico, todavia nossa sociedade preferi não dar a ele a importância que merece. E nos bastidores do silêncio nascem os monstros que devemos encarar e de fato combater. 

Enquanto sociedade precisamos sair do comodismo de meras opiniões, muitas delas sem nenhum fundamento ético e humano, e estabelecer um pacto nacional pelo diálogo em torno de todas as questões que envolvem o abordo. 

Necessitamos ter a coragem de encarar de frente esse grande dilema da sociedade e colocá-lo em discussão, em diálogo, em confronto positivo de ideias e argumentações. Urgentemente, precisamos sair do comodismo ou poderíamos chamar de uma falsa moralidade e analisar o cerne da questão. 

Mas para isso, a sociedade tem que se envolver, criar grupos de diálogos, onde médicas, psicólogas, agentes de saúde, agentes públicos, mulheres que sofreram e em muitos casos sofrem os mais diversos tipos de abusos, grupos religiosos, pais, mães, filhos, e todos que queiram ter voz sejam ouvidas.

Precisamos buscar exemplos em outros países, ver quais posicionamentos foram estabelecidos pela sociedade. Enxergar o que deu certo, melhor o que pode ser melhorado e dentro do possível verificar o que podemos evitar. 

O que não dá mais é virar as costas para o problema que a tratativa do tema vem causando. É preciso buscar opiniões distintas, mas que saibam se respeitar e a partir delas buscar uma solução que seja digna e humana para a questão em voga. 

Sabemos que há muitos dilemas envolvidos no debate, principalmente paradigmas religiosos e culturais. Por isso ele tem que ser levado a sério. Mas não podemos e nem devemos transformar um tema tão complexo e profundo em uma situação puramente religiosa, acredito que não seria salutar. 

Tratar o tema aborto exige amadurecimento da própria sociedade, exige o amadurecimento do próprio ser e acima de tudo o respeito pelo outro, seja qual for os seus argumentos, sendo eles favoráveis ou não. 

O que não deveria ser aceitável é o abuso, a prática clandestina, o fingir que o problema não acontece e o deixar para lá, como se a questão não envolvesse toda a sociedade. Fechar os olhos não resolverá nossos conflitos e nem tão pouco opiniões radicalizadas em um discurso que não consegue enxergar o outro, tendo um mínimo de empatia e porque não dizer também compaixão. 

Muito mais do que legalizar ou não a sua prática, e essa questão deveria vir de um debate nacional descente e maduro. Nada nos impede de ver o outro e seus problemas com mais sensibilidade e nunca deixarmos de pensar: e se fosse comigo o que faria? Pois falar é sempre mais fácil do que agir, principalmente quando o problema é do outro. 

Criemos uma rede de diálogos, tenhamos a coragem de expor argumentos e na mesma medida a sensatez de ouvir o outro. Quem sabe a solução esteja aí.

Walber Gonçalves de Souza

71 Posts

Coluna do Professor Walber

Walber Gonçalves de Souza, Doutor em Geografia:Tratamento da Informação Espacial (PUCMINAS); Mestre em Meio Ambiente e Sustentabilidade (UNEC); Especialista em Ciências do Ambiente (UNEC) e Maçonologia: História e Filosofia (UNINTER); Graduado em História (UNIFAI) e Graduando em Direito (UNEC). Revisor de vários periódicos científicos (parecer de artigos). Escritor e Palestrante. Professor da Fundação Educacional de Caratinga (FUNEC). Membro das Academias de Letras de Caratinga (ACL), Teófilo Otoni (ALTO) e Maçônica do Leste de Minas (AMLM). Colunista semanal dos jornais: Diário de Caratinga (MG), O Folha de Minas (MG) e Roraima em Tempo (Boa Vista/RR). Autor, coautor e organizador de várias obras literárias. Tem experiência na docência de temas ligados à Ciências Humanas. Trabalha com pesquisas voltadas para a Educação, História, Pensamento e Geografia Histórica.

Comentários