14,Oct
Coluna

ENTRE A VERDADE E A FÉ

Fé é um sentimento onde se crê sem nunca ter ouvido, sem nunca ter falado, sem nunca ter visto: a Fé é cega. No entanto, a descoberta da Verdade é a sua procura, é o encontro com seus sentimentos, e, para uns, eles estão à flor da pele, ou escondidos sobre os escombros de interesses os mais mesquinhos. São dois momentos em que nos encontramos atualmente: a escolha entre a Fé e a Verdade.

Colocar a Fé a serviço de alguém, de alguma instituição é, muitas vezes, a revelação de uma fraqueza, de uma entrega para outrem das atribuições que deveríamos tomar rédea, é se colocar em uma zona de conforto. Entregar-se a discursos radicais, desde que solucionem nossos problemas, levados por nossos interesses pessoais, é ter fé na solução que os outros nos apresentam, desde que seja para submeter aqueles que nós excluímos como indesejáveis, por serem pobres, pretos, sem famílias, sem estruturas, com deficiências mentais, físicas, ou simplesmente têm um coeficiente intelectual que não atendam aos interesses do mercado, ou não nos sirvam.

Por Andreas - Pixabay

A Fé é uma covardia, quando utilizada nos interesses do nosso conforto pessoal, e é por esse motivo que muitos aceitam as soluções vendidas por oportunistas, colocando os excluídos, e nesse instante, aqueles que escolhem seus estilos de viver gêneros, ocupações ou formas de viver. Entregar corações e mentes para discursos discriminatórios é, por isso, a covardia vestida de Fé.

A Verdade, no entanto, exige coragem para dizer, para defender, para se autocriticar, corrigir rumos, exigir mudanças, é se expor, contrapor, mostrar, e dando a cara para receber críticas. Para ser verdadeiro é preciso ter coragem. Porque o discurso da imposição, do conservadorismo, e, explico, que conservadorismo é mais do que nunca deixar ficar desse jeito, e não mudar o jeito para eu ter que dividir, aceitar aquilo que me ofende, ou que me proporciona esconder o que sinto, e me transforme em uma pessoa “de bem”, é o mais fácil, porque não exige a procura, somente a espera de um salvador, mesmo que espúrio.

O verdadeiro excluído é aquele que se exclui, que quer se mostrar como o correto, aquele que segue os ditames do bom comportamento, ou o que venha ser isto. E, para isso, tem que ter fé em alguém que faça e diga o discurso sujo onde se possa esconder as reais motivações. É claro que deva ser sempre alguém que possa ser descartado, e que o nome, o nome dos vivandeiros da fé não apareçam.

A Verdade é o que nos liberta, que nos faz encarar nossos medos, viver com nossos diferentes, aceitar que somos diferentes em algum momento ou lugar dentro de nós mesmos.

Procura a Verdade e ela vos libertará, mas não é a Fé que te salvará e sim os seus atos, incluindo suas atitudes, suas palavras, suas ações. O que serão atos da Verdade e os atos de Fé? O que o Mestre escolheu? A coragem ou a covardia?

Nilson Lattari

84 Posts

Crônicas e Contos

NILSON LATTARI é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br, vencedor duas vezes do Prêmio UFF de Literatura (2011 e 2014) e Prêmio Darcy Ribeiro (Ribeirão Preto 2014). Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em crônicas, contos e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. "Ambos levam ao infinito, porém, em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação".

Comentários