Coluna

A CASA DA CACHAÇA

Casa da cachaça (Foto: Divulgação)
Casa da cachaça (Foto: Divulgação)

Rio - A Rua Mem de Sá, na Lapa, como toda rua que se preza,  tinha um bar. 

Para ser franco, faltava muito pra ser um bar. Era um pé-sujo. Pequeno. Pequenino. Miudinho, até. Tipo bunda-de-fora.
 
Mas era famoso. 
 
Lá, Jaguar - colunista de O Dia - e Madame Satã tomavam porres de proporções bíblicas, antes de ir comer o cabrito do "Capela"; sempre seguidos de perto pelos olhos atentos do  proprietário, o lendário "Seu Oswaldo", fundador da casa.
 
Era a "Casa da Cachaça", um boteco onde os notívagos vinham  para tomar a última da noite; ou levar pra casa, uma das dezenas de cachaças raras da coleção do bar.
 
Eu tinha um bar perto dalí: o "Retiro dos Artistas", na Rua dos Inválidos, esquina com rua do Resende, próximo aos Arcos da Lapa; e passava de madrugada no charmoso boteco pra tomar a saídeira, enquanto esperava o táxi.
 
Jaguar morou alí perto, num apart-hotel que a modernidade trouxe para a Lapa.
 
Junto com ela - a modernidade - vieram os grandes restaurantes, casas de shows, os bares da moda e os mauricinhos, que expulsaram as prostitutas e os travestis.
 
Depois disso, a Lapa nunca mais foi a mesma. Nem nós.
 
A "Casa da Cachaça" não existe mais. Fechou as portas, assim como o "Semente", boteco com música ao vivo, frequentado por Chico Buarque, que deu abrigo e projeção a artistas como Teresa Cristina, Marcus Lucenna, Yamandu Costa, Moyseis Marques e Casuarina, entre outros.
 
Dos bares famosos, ainda resistem por lá o "Nova Capela", fundado em 1903 e cujo cordeiro - consta como cabrito no cardápio - e a comida portuguesa farta e honesta ainda atrai frequentadores.
 
O "Bar Brasil" - aberto em 1907 - que até pouco tempo tinha a reputação de servir o melhor chope do Rio de Janeiro tirado da sua  velha chopeira  de bronze.
 
E o "Cosmopolita", um restaurante com porta de saloon que funciona na Lapa desde 1926; e que se gaba da criação de um prato clássico carioca: o filé à Oswaldo Aranha - um bife enorme coberto com alho, arroz farofa e fritas - em homenagem ao diplomata e ministro que frequentava a casa.
 
Recentemente, voltei à Lapa; e como diz a música de Chico Buarque, perdi a viagem. Aquela tal malandragem, não existe mais.
 
Nem a velha Lapa.
 
 
*Ediel Ribeiro é jornalista, cartunista e escritor.

Ediel Ribeiro (RJ)

661 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários


  • 05-06-2020 19:52:42 Chumra

    Na materia informa que a Casa da Cachaça esta fechada. Não esta.