Coluna

TENHA FÉ

Bolsonaro pede que pobres que estão sem emprego e com fome tenham fé.

.

Rio - Se tem um órgão do Governo Federal que trabalha - e muito - é o Departamento de Recuos e Desmentidos (DRD).

Ligado à Secretaria de Comunicação Institucional, antiga Secretaria de Comunicação - SECOM - o DRD funciona numa salinha nos fundos do Palácio do Planalto, ao lado do gabinete do ódio, sob o comando do secretário especial Flávio Augusto Viana Rocha

Todo mundo sabe que uma das funções mais importantes no governo, hoje em dia, é a de recuar e desmentir as histórias do capitão e de sua prole.

Se o presidente ficar adulterando fatos, desmentindo e fraudando todo tipo de informação, daqui a pouco ninguém mais vai acreditar nas suas declarações.

Como vocês devem saber, depois que a Câmara dos Deputados enfiou no saco a proposta do voto impresso, o presidente anda bastante abatido.

Nesta quarta-feira, 18, no Pará, o presidente reconheceu a existência de problemas como queda na popularidade, inflação alta, aumento da conta de luz, dos combustíveis, do gás de cozinha, escalada de preços dos alimentos, crise hídrica e desemprego.

E, quando a oposição pensou que o líder da nação não tomaria nenhuma providência, o capitão surpreendeu a todos tirando do quepe a solução: rezem e tenham fé.

Bolsonaro chamou o secretário especial de comunicação da Secretaria de Comunicação Institucional e ordenou:

- Vamos investir pesado na propaganda institucional do meu governo!

- Como vamos fazer isso, presidente? O TSE determinou que as plataformas YouTube, Twitter, Instagram e Facebook suspendam a receita de canais bolsonaristas investigados por disseminarem desinformação sobre as urnas eletrônicas, o tratamento precoce e o sistema eleitoral brasileiro.

- Que youtuber, que nada! Vamos liberar verba para o Silas Malafaia, Edir Macedo e Valdemar Costa Neto para convencerem o povo a ter fé. Chega de investir em youtubers.

- Mas, presidente, a Secretaria está sem caixa - respondeu o secretário.

- Como sem caixa?! Cadê a verba da Secom? Não me diga que o PT saqueou a Secom também?

- O dinheiro acabou. O senhor não viu? O site The Intecept Brasil descobriu que a Secretaria gastou R$ 4,3 milhões só com celebridades para fazer merchandising do seu governo.

- Só isso?! A verba da Secretaria é de 577 milhões!!

- Tem mais: para propagandear o falso "tratamento precoce" contra a Covid-19, baseado em medicamentos ineficazes contra a doença, segundo o site, foram gastos R$ 746 mil em cachê de celebridades. R$ 352,6 mil foram pagos a influenciadores e R$ 247,2 mil a radialistas - disse o secretário. - Receberam para divulgar o "tratamento precoce", por exemplo: César Filho, da Record (R$ 93,6 mil), Sikêra Júnior, da RedeTV! (R$ 24 mil), Marcelo de Carvalho, da RedeTV! (R$ 10 mil), Milton Neves, da Band (R$ 7,2 mil), Operação Mesquita, programa de Otávio Mesquita no SBT (R$ 6,3 mil) e Benjamin Back, do SBT (R$ 5,6 mil).

- O site descobriu tamb´me que teve também repasse de verbas para a televisão - disse o secretário.

- Eu avisei que não era para dar mais dinheiro para a Rede Globo, talkey?

- Não foi para a TV Globo, presidente, foi para a Band, Record, SBT e RedeTV!

- Então, tudo bem! Não quero televisão comunista recebendo dinheiro do meu governo. Nem “O Globo”, nem a “Folha de São Paulo”, nem o “Estadão”, nem a “Veja”. Zero. Nessa ‘cuestão’ daí eu já falei que estão fora. Se foi só isso daí, então sobrou dinheiro - ponderou o presidente.

- Tem mais, presidente. Consta também “pagamento de cachê” de R$ 1 milhão à dupla sertaneja Simone e Simaria, que fez propaganda sobre o combate à violência contra a mulher. Essa campanha custou ao governo federal R$ 1,7 milhão. O restante foi distribuído entre apresentadores da Band (Datena e Catia Fonseca), da Record (Ana Hickmann, Luiz Bacci e Ticiane Pinheiro), da RedeTV! (Nelson Rubens) e do SBT (Lívia Andrade).

- PA- TI-FA-RIA! Isso daí!

- Até suas páginas e a de seus filhos foram bloqueadas pelo TSE.

O presidente coçou a cabeça e perguntou:

- Como é que eu vou fazer para pagar aos pastores?

- Eles aceitam PIX? - perguntou o secretário.

*Ediel Ribeiro é jornalista, cartunista e escritor.

Ediel Ribeiro (RJ)

661 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários