06,Jul
Opinião

UM MOMENTO PREOCUPANTE

O momento é dos mais preocupantes  na política do Brasil. Além da pandemia que foi trazida por viajantes internacionais, sem nenhum controle para evitar o mal maior, temos um crise provocada pela  administração pública sob a direção de um Presidente eleito com mais de 57 milhões de votos que pregava na campanha a adoção de medidas como a redução do número de Ministérios, o confronto com o denominado Centrão, grupo político que atua no Congresso Nacional e que  reúne deputados conservadores ou liberais e também a implementação  de medidas  radicais, por parte  da área da Economia e da agricultura, por exemplo. E uma questão básica foi deixada de lado, ou seja,  até agora não se conhece um Plano de Governo levando em consideração questões essenciais como a saúde, a educação pública, a segurança, o transporte, o sistema habitacional, como destaques. E nos últimos meses são acumulados mais  problemas com  o descompasso entre as atuações de vários organismos federais, com ocupantes de cargos que mostram fragilidade e até desconhecimento dos temas que devem  implementar. 

E uma situação chama a atenção ou seja, os Poderes da República estão em confronto constante com segmentos sociais, mostrando a falta de entendimento nas mais variadas questões. E fica definida ainda o confronto com manifestações públicas onde adeptos bolsonaristas chegam ao desplante de propor a intervenção no Judiciário, no Congresso Nacional e  a imposição de medidas drásticas  como atos institucionais que foram  impostos pela ditadura militar. E tem de ser destacada também a posição de alguns militantes que  foram eleitos para os legislativos, tanto estaduais como para o Congresso Nacional e que já divulgaram  o rompimento com o Governo Bolsonaro. 

É uma situação que causa muita preocupação e mais, é avaliada a nível internacional, colocando que o Brasil está  com riscos de desgoverno e de implantação de autoritarismo militar. 

E outro ponto deve ser destacado, a imposição de medidas com nítida intenção política como no caso da recente  medida provisória a respeito da indicação de reitores das Universidades Federais. É também por demais preocupante  a forma de agir de uma militância reacionária que está ultrapassando os limites na forma de agir. 

A  agressividade chega ao desplante de um militante  ofender  quem prestava homenagem aos seus entes queridos falecidos na pandemia, derrubando cruzes colocadas numa praia no Rio de Janeiro. E fez de forma a aparecer nos meios de comunicação. Como se pode constatar, pode ser colocada como hipócrita a posição de quem foi eleito com um discurso dito como popular e que durante 28 anos ocupou o cargo de deputado federal, sem destaque em nenhum projeto de sua autoria. Não teve sequer a preocupação de investir em questões básicas em relação a sua base eleitoral, o Rio de Janeiro, onde são graves os problemas na saúde, educação e segurança pública. 

Mais do que nunca se faz necessária a mobilização de segmentos sociais comprometidos com a democracia. E  que promova no país com dimensão continental  as medidas adequadas na exploração de nossas riquezas minerais e da agricultura e sobretudo, investindo em pesquisas, evitando que continuemos  exportando matérias primas e importando  produtos acabados. Como se pode concluir, são grandes desafios para nos levar a ocupar espaço de destaque a nível internacional.

*Uriel Villas Boas
Diretor de Previdência da Fitmetal/CTB
Coordenação do Fórum da Cidadania-Santos-S.Paulo

Comentários