14,Dec
Coluna

Cidade, morada dos homens

Homens armados invadiram os morros da Piedade e do Moscoso em noite da semana passada, em Vitória.

Três pessoas morreram e duas foram baleadas.

De duas formas podemos ler essa notícia:

a) como simples episódio policial, que não nos diz respeito,  se não moramos no Morro da Piedade ou no Morro do Moscoso;
b) como episódio que nos diz respeito sim porque somos membros da família humana.

O fato tem atinência com nossa vida, se acreditamos que todos somos irmãos em Cristo.

Vamos, pois, refletir.

A cidade é a morada de grande parte dos seres humanos, no mundo atual. Mas a cidade não é uma entidade abstrata, alheia às injustiças estruturais que massacram grande parte da humanidade.

Não existem grandes problemas na cidade para os que podem habitar uma residência condigna, locomover-se de carro ou em transporte coletivo de qualidade, ter acesso aos serviços essenciais – educação, saúde etc. O problema das cidades é o problema dos que são excluídos da cidade.

A humanidade alcançou padrões de tecnologia que poderiam assegurar a todos os seres humanos o direito de reclinar a cabeça num leito, ao final de cada dia, habitando uma morada digna da grandeza infinita do homem.

Quem está fora da cidade?  Quem foi expulso dos espaços nobres para conviver com o lixo e viver do lixo?

São pessoas sem nome e sem face, embora portadoras da mesma substância espiritual que nos irmana a todos.

Milhões de crianças estão abandonadas nos guetos das grandes cidades do mundo, especialmente no Hemisfério Sul. Há presença maior de mulheres do que de homens nas favelas. Também as discriminações raciais desenham o quadro geográfico de uma cidade.  Exceções à parte, não se reserva aos brancos o pior espaço urbano.

Ainda são habitantes preferenciais dos lugares imprestáveis, no conjunto do espaço urbano, várias espécies de oprimidos e marginalizados: o apátrida, o refugiado, o que vive em terra estranha, o migrante; os portadores de deficiências em geral.

O fenômeno da exclusão não é casual, nem resulta de uma suposta seleção que um caduco darwinismo social teima em sustentar ainda hoje.

O fenômeno da exclusão resulta do aniquilamento do Direito, da negação da Justiça, da desumanização das condutas, do esmagamento da Ética.

João Baptista Herkenhoff (ES)

126 Posts

Direito e Cidadania

JOÃO BATISTA HERKENHOFF, é Juiz de Direito aposentado. Foi um dos fundadores e primeiro presidente da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Vitória e também um dos fundadores do Comitê Brasileiro da Anistia (CBA/ES). Por seu compromisso com as lutas libertárias, respondeu a processo perante o Tribunal de Justiça (ES), tendo sido o processo arquivado graças ao voto de um desembargador hoje falecido, porém jamais esquecido. Autor de Direitos Humanos: uma ideia, muitas vozes (Editora Santuário, Aparecida, SP).

Comentários