20,Nov
Coluna

As letras e a paz

A Literatura, em alguns de seus mais gloriosos vôos, exaltou a Paz (Tolstói, Hemingway, por exemplo).

Entretanto outras vezes a Literatura, ainda que em obras inexpressivas, pactuou com a Guerra.

Vejo a Literatura a serviço da justiça e da verdade, opondo-se a tudo que nega esses valores.

O escritor engrandece seu ofício quando, através da pena, torna-se profeta de um mundo novo, pacífico, solidário e justo.

A ideia de paz acolhida nas mentes e corações resulta de uma busca da inteligência e da vontade.

O grande desafio é: disseminar o sentido de paz em todo o organismo social – educar para o florescimento, a manutenção e a defesa da paz; plasmar uma cultura da paz radicada no inconsciente coletivo.

Esse esforço educacional terá, necessariamente, diversos artífices, diversas fronteiras de atuação.

Papel fundamental cabe aos que fazem da palavra estrita ou falada seu instrumento de trabalho.

A luta a favor da paz não é fácil. Interesses econômicos monumentais sustentam as guerras.

João Baptista Herkenhoff (ES)

124 Posts

Direito e Cidadania

JOÃO BATISTA HERKENHOFF, é Juiz de Direito aposentado. Foi um dos fundadores e primeiro presidente da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Vitória e também um dos fundadores do Comitê Brasileiro da Anistia (CBA/ES). Por seu compromisso com as lutas libertárias, respondeu a processo perante o Tribunal de Justiça (ES), tendo sido o processo arquivado graças ao voto de um desembargador hoje falecido, porém jamais esquecido. Autor de Direitos Humanos: uma ideia, muitas vozes (Editora Santuário, Aparecida, SP).

Comentários