Colunistas

DESENHADOS UM PARA O OUTRO

Desenhados um Pro Outro​ (Foto:Divulgação)

Morreu nesta terça-feira, 29, na França, a cartunista Aline Kominsky-Crumb, uma das pioneiras dos quadrinhos underground no mundo. 

Tinha acabado de ler seu último livro “Desenhados um Pro Outro” (Companhia das Letras - 272 páginas), a coletânea que reúne pela primeira vez todas as HQs que Aline e Robert Crumb, o primeiro casal dos quadrinhos underground mundial, desenharam juntos.

"Somos dois chimpanzés, um jogando ideias pro outro". Assim, Aline Crumb define a si e ao marido, Robert, na introdução de 'Desenhados um para o outro'. Abrangendo quatro décadas de uma colaboração artística e romântica sem igual, o livro é um retrato hilariante dos Crumb, um casal singular na sua excentricidade e adoravelmente infame. 

A obra documenta a saga do relacionamento boêmio dos dois, retratando a confusão, a violência e a constante sordidez que é o dia a dia do casal: colapsos nervosos, neuroses, desastres na educação dos filhos, conjunções carnais repletas de fluidos e muito mais. 

As histórias começam nos morros do norte californiano, com singelos passeios pela Haight-Ashbury, e vão até uma louca e malfadada aventura pelo deserto do Arizona.

Os hippies dos anos 1970, os yuppies dos anos 1980, o nascimento da filha Sophie, o êxodo do casal para a França, está tudo aqui. Este volume extraordinário mostra como essas duas almas profundamente cativantes, neuróticas e atormentadas encontraram a redenção ao se autodesenhar.

Com o humor cáustico e as obscenidades características do trabalho dos dois, o livro, uma espécie de autobiografia em dupla, traz narrativas desde o início da parceria de Robert e Aline nos quadrinhos. ‘Desenhados um para o outro' mergulha na mente perturbada e escatológica dos dois e traz diálogos e relatos sinceros e, ao mesmo tempo, impiedosos em relação aos próprios autores.

Aline era uma referência da arte dos quadrinhos e foi colaboradora da revista brasileira Piauí. Casada com o papa do underground, Robert Crumb, a artista nasceu Aline Goldsmith em Long Island, Nova York, em 1948. Após estudar na Universidade de Tucson, no Arizona, ela se tornou, a partir de 1971, uma das primeiras colaboradoras da revista feminina Wimmen’s Comix, criando a série Twisted Sisters com Diane Noomin em 1976.

Pioneira da presença feminina entre quadrinistas, Aline Crumb foi uma das fundadoras do Wimmen;s Comix, coletivo que atuou entre 1972 e 1992. As HQs do grupo abordavam temas como feminismo, homossexualidade, sexo e política. Aline, assim como Robert, tornou-se símbolo do quadrinho underground.

Aline iniciou sua carreira no início dos anos 1970, e influenciou gerações de quadrinistas. Em 2010, a cartunista esteve no Brasil,  junto com Crumb, para participar da Flip. 

Recentemente, Aline teve câncer, e a narrativa do diagnóstico e do tratamento passou a ser tratada em seus quadrinhos. Ela considerava que tinha se curado. 

Não tinha.

Ediel Ribeiro (RJ)

662 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários