Coluna

BOLSONARO FORA DA COP 26

Todos os jornais publicaram que o presidente Jair Messias Bolsonaro não participará das reuniões da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26) , em Glasgow, na Escócia.

Houve tantas versões sobre o fato que tentei imediatamente separar o joio do trigo. Telefonei para o presidente para conhecer sua versão. E ele, simpático, como sempre foi com a imprensa, respondeu:

- Não te devo satisfações, rapaz, taokey?

Uma fonte minha no Palácio do Planalto, no entanto, me disse que ouviu uma conversa entre Bolsonaro e Mourão e que o que aconteceu foi o seguinte:

Quando Mourão chegou pela manhã, ao Palácio do Planalto para filar o café da manhã, como sempre faz, encontrou o presidente trancado no banheiro chorando.

- Presidente?! Presidente, o senhor está bem? - perguntou, batendo na porta.

- Snif! Snif! Snif!

- Presidente, estamos atrasados para a reunião da COP 26! O avião parte daqui a 20 minutos!

- Eu não vou, taokey? - respondeu o presidente, chorando.

- Como não vai? Os líderes das maiores potências mundiais vão estar presente. É importante que o mandatário do Brasil também esteja. A COP 26 é uma das conferências mais importantes do mundo nas questões climáticas. Nas reuniões, serão discutidos temas como economia verde, metas para diminuir a emissão de gases do efeito estufa, desmatamentos, queimadas e outros pontos importantes para o Brasil e o mundo.

- Eu não vou, taokey? Eles querem me humilhar como fizeram em Roma, nas reuniões de cúpula do G20. Você viu? O presidente italiano Mario Draghi deu a mão a todos os primeiros-ministros que chegaram à Nuvola, menos a mim. Eu fiquei deslocado, abandonado, isolado de todos os chefes de Estado que conversavam animadamente entre si. Ninguém falava comigo. Nem o Joe Biden, nem a Angela Merkel, nem o Narendra Modi, que ninguém sabe quem é. Ninguém.

- Modi é o presidente da Ìndia, capitão. Acredito que seu isolamento deve ter sido porque o senhor não fala inglês.

- Não tem nada a ver com isso daí. Eu já estive no Amazonas e falei com os índios e todos eles me entenderam. E depois, o Lula também não falava e, na última reunião do G20 ficava todo mundo em volta dele. A Angela Merkel, o Obama… Todo mundo.

Bolsonaro
Divulgação - 

- O senhor precisa ser mais carismático. Se enturmar mais.

- Eu tentei. Até pisei no pé da Angela Merkel, pra tentar puxar conversa e nada.

- E o que ela disse?

- “Só podia ser você, né, Bozo!”

- Não tinha ninguém com quem o senhor pudesse interagir?

- Do meu lado só tinha o tradutor e o "Zero Dois", disparando "fake news", então, eu tentei puxar conversa com os garçons. Perguntei se eles eram italianos e cheguei até fazer uma piada meio sem graça sobre futebol.

- Não é esse tipo de “conversa”, presidente. Falo de conversas que resultem em negócio e novos investimentos para o país.

- Nessa “cuestão” daí eu conversei com o presidente da Turquia, o Erdogan. Falei que a nossa economia está indo muito bem…

- Mas, presidente, não está. O Brasil está na lanterna no ranking das principais economias em termos de recuperação econômica.

- Conversamos também sobre a Petrobras. 

- O senhor falou de algum projeto de governo para o petróleo ou dos lucros da Petrobras?

- Claro que não. Falei que a Petrobras é um “problema”, que dá muito trabalho, que ela foi saqueada por um “partido político” e que o meu governo quer vender a estatal por qualquer preço.

O vice-presidente coçou a cabeça:

- Presidente, a razão de ser dessas reuniões é justamente aproximar os chefes de Estado, para que eles troquem impressões e abram caminhos para parcerias comerciais, acordos comerciais, acordos de transferências tecnológicas, convênios científicos e outros. Não é lugar para falar mal do PT, lavar roupa suja ou comentar intrigas domésticas.

- Por isso que eu não gosto de ir a esses lugares. Você sabe que eu não sei nada disso daí. Eu nunca li um livro sobre meio-ambiente, sobre 'cuestões' climáticas nada disso.

- Capitão, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, o premiê do Reino Unido, Boris Johnson, e diversas outras lideranças estarão presentes à COP 26. Seria bom que o senhor também estivesse - repetiu Mourão.

- O que eles vão discutir nesse encontro, é um amontoado de mentiras. O Brasil é parte da solução do clima e não do problema, taokey?

- Então, eu posso ir? - perguntou Mourão.

- Negativo. Você vai representar o Exército Brasileiro num evento muito mais importante: a reunião da “CAL 26”.

- CAL? Em Glasgow, na Escócia? - perguntou o vice-presidente, eufórico.

- Não. Em Resende, no Rio de Janeiro.

- O que vai ser discutido nesse encontro? - quis saber Mourão.

- Vai ser discutido “Como preparar a cal para pintar meio-fio” e “A importância da cal na formação dos valores morais e do caráter dos recrutas brasileiros''.

Foi a vez do Mourão chorar.

Ediel Ribeiro (RJ)

661 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários