10,Dec
Internacional

Museu da vulva em Londres

Os turistas que visitarem Londres, capital da Inglaterra, a partir desta segunda metade de novembro, terão uma atração especial a mais para “enriquecer o conteúdo cultural”: o Museu da Vagina, inaugurado dia 16/11. O espaço, justificado como “símbolo de empoderamento feminino” e “importante para compreender a sexualidade” é inspirado no Museu do Pênis, na Islândia, entre a Noruega e a Groenlândia.

Na rua, placa sinaliza a entrada museu
Na rua, placa sinaliza a entrada museu. (Divulgação)

Para Florence Schechter, divulgadora científica, “o museu corrige uma injustiça, pois não havia no mundo um local semelhante, dedicado à genitália feminina”. O projeto foi lançado em março de 2017 e, desde então, realizou pequenos lançamentos no Reino Unido. Florence conta que “as primeiras instalações serão inauguradas na cidade de Camden, mas, esperamos ter um espaço definitivo”.

A pesquisadora diz que, com o lema “respeito, integridade, fortalecimento e inclusão”, o museu busca romper tabu e ampliar o conhecimento sobre o sexo feminino. Para tanto ela já selecionou a primeira exposição, que aborda os mitos da vagina. Além de propor que visitantes testem seus conhecimentos acerca da genitália feminina, a mostra reúne pôsteres que afrontam mitos da sexualidade feminina, incluindo a menstruação. E tem parte dedicada aos produtos ditos “milagrosos”, criados para “melhorar a aparência” da vagina ou deixá-la virgem para sempre.

O museu tem o correio eletrônico info@vaginamuseum.co.uk para correspondência.

Na Islândia, visitantes podem ver pênis e partes penianas de todas as formas e tamanhos de uma variedade de mamíferos, de baleias a ursos, focas, gatos e mesmo ratos, reunindo a maior coleção do mundo. O museu também abriga vasta gama de artefatos temáticos genitais, entre os quais bandejas, totens e aparelho de telefone. Aberto em 1997, com 52 peças, tem na atualidade 286 espécimes biológicos. Os maiores pênis são de baleia e de elefante.

Visitantes podem adquirir produtos com a temática da genitália em formato de pingentes. (Divulgação)

O proprietário, Hjortur, diz que o propósito do museu do pênis é educativo e não erótico. E afirma que “tem sido um pouco tabu, especialmente em relação ao órgão humano; mas se você diz ‘pênis’, isso atrai as pessoas. E, claro, nós somos o único museu no mundo colecionando órgãos biológicos”. Segundo ele “as crianças são alguns dos visitantes favoritos, por causa da vontade que têm de aprender sobre o campo da falologia, o estudo científico do pênis”. A maioria dos visitantes é estrangeira e mais de 60% são mulheres.

Comentários