21,Oct
Coluna

AFINAL: QUEM MANDOU NÃO ESTUDAR?

Chamou-me a atenção uma transeunte reclamando de um jovem que estava desempregado, e reclamando, a expressão: Quem mandou não estudar? De fato, me perguntei depois: Afinal? Quem mandou ele não estudar?

Talvez tenha faltado alguém acordá-lo, pela manhã, e dizer: Filho, você vai se atrasar para a escola! Vamos, vamos, para de enrolação e vamos sair dessa cama e já para a escola! Ou talvez: Filho, aqui está sua merenda ou o dinheiro da merenda, e o dinheiro da passagem. Ou então: Sua roupa está limpa esperando, vai para a escola ou seu pai vai conversar com você hoje à noite?

Se de fato tivesse tudo isso não haveria desculpas. Afinal! Alguém mandou ele estudar e se preocupou com isso.

Mas, voltando à observação: Alguém mandou ele não estudar? Talvez o pai, que precisa cuidar da terra e não tem mais ninguém, e na falta da colheita não haverá comida na mesa, tenha dito: Preciso de você aqui, escola não dá, estudar para quê? Ou a mãe que precisa de um filho para tomar conta dos menores, e não dê importância a mandar estudar. Muitas coisas mandam alguém não estudar: a fome, a falta da família, a própria condição social, e, no pior dos mundos: Não vou ser nada mesmo, para que estudar?

As forças para o desestímulo e ir estudar são muitas. A escola de péssima qualidade, a merenda fraudada que poderia ser bem melhor, a competição desigual com aqueles que têm melhores condições, o professor mal pago, muitas coisas mandam alguém não estudar, e alguém que os mande estudar.

Da mesma forma que ver uma jovem com um filho no colo e dizer quem mandou transar, e, na mesma hora, se constrói uma história destrutiva para ela, porque é mais confortável aceitar a realidade própria do que tentar entender a real realidade, dizer “quem mandou não estudar” é ignorar a história do outro. A negação é a zona de conforto do alienado e do meritocrata.

Caberia a pergunta para aqueles que gostam de questionar: E se ninguém tivesse mandado você estudar? Você teria?

CURTA O BLOG DO NILSON LATTARI

Nilson Lattari

85 Posts

Crônicas e Contos

NILSON LATTARI é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br, vencedor duas vezes do Prêmio UFF de Literatura (2011 e 2014) e Prêmio Darcy Ribeiro (Ribeirão Preto 2014). Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em crônicas, contos e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. "Ambos levam ao infinito, porém, em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação".

Comentários