Coluna

DIA INTERNACIONAL DA PREGUIÇA

Rio de Janeiro - Ontem, 7 de novembro, foi o Dia Internacional da Preguiça. Deveria ser, também, o dia do cartunista.

Sim, porque não há profissão no mundo em que os profissionais sejam mais taxados de preguiçosos, do que a de cartunista.

Quando alguém pergunta a um cartunista em que ele trabalha, e ouve a resposta: eu desenho quadrinhos!

Em seguida, vem sempre o questionamento: e trabalho? Qual o seu trabalho?

Mas, porra, desenhar quadrinhos é um trabalho duro, espinhoso, mal remunerado, depreciado, desconsiderado e subavaliado!

Ninguém considera desenhar um trabalho. É, antes, uma diversão, dizem. 

Às pessoas, frequentemente, confundem emprego com trabalho. Emprego é fonte de renda. Trabalho é fonte de vida.

PAULO CARUSO
Divulgação - 

O cartunista, normalmente, trabalha mais que os outros. Quantas vezes você já virou a noite desenhando? Sem ganhar horas extras. Sem férias ou décimo terceiro. Nós, às vezes, levamos o dia todo pra fazer uma tira, um cartum, uma charge. Envolve responsabilidade, ética e comprometimento. Mas nem por isso tem que deixar de ser prazeroso. 

Aliás, cartunista é uma profissão que nunca faz greve. Você nunca ouviu falar em greve de cartunista. Se a gente parar de trabalhar, ninguém nota que a gente começou.

Não existe felicidade no emprego. A felicidade está no trabalho. Naquilo que você ama fazer. Como disse Confúcio: “Escolha um trabalho que você ame e não terá que trabalhar um único dia em sua vida”.  

Ontem, fui em uma reunião de preguiçosos. 

No Dia Internacional da Preguiça, um bando de cartunistas deixou o trabalho de lado para ir até a Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo, homenagear o ‘preguiçoso’ Paulo Caruso, que, enfim, parou de trabalhar.

Mas, até lá, eles trabalhavam. Davam autógrafos, entrevistas e desenhavam.

O cartunista é uma profissão em que se ganha pouco, mas se diverte. Foi uma alegria conhecer novos amigos e rever antigos mestres do traço. Que prazer estar ao lado dos grandes, literalmente, Baptistão e Manga. Os caras, cujo único defeito é serem grandes demais - deveria ser proibido alguém crescer tanto assim - são gente boa pra cacete!

Que bem faz desfrutar da companhia dos veteranos Chico Caruso, Jal, Fausto, Alcy, Gonzalo Cárcamo, Santiago. Beber da fonte desses mestres.

Melhor ainda é acompanhar a trajetória dos jovens e talentosos Jean, Eder, Dalcio e Luciano Veronezi. Veronezi que, por sinal, hoje ocupa o lugar que foi, por mais de 36 anos, do Paulo Caruso, no Programa Roda Viva, na TV Cultura. 

Paro por aqui. Deu preguiça.

Ediel Ribeiro (RJ)

647 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários