Coluna

VERSOS

Juiz de Fora (MG) - Persigo os versos que complementarão o poema, encerrarão o parágrafo da prosa, no encontro final. E nem me vem à cabeça, indigente de palavras, desses momentos que nos assombram, de repente, quando a caneta parece adquirir vida própria e desenha, como sombras a deslizarem docemente a fina camada de papel.

Talvez eles não existam. Talvez tenham se escondido se julgando inferiores para aquele texto, ou que se julguem a serem usados em situações mais ricas.

Na verdade, o poeta não é dono do verso, quando ele o procura para explicar algo. Não se usa o verso para explicar um estado da alma; não se procura o verso para completar um trabalho, na falta de uma ideia melhor.

Se você procurar bem por um verso, não encontrará a explicação da vida – coisa tola. Poderá, o poeta, encontrar o inexplicável da vida.

Porque o verso não complementa algo, ele em si mesmo se completa. É equação insolúvel, porque o verso condensa um pensamento completo, desses quando caminhamos sem rumo, e deixamos a mente aberta, e nossos devaneios nos levam para longe, e sonhamos com as coisas impossíveis e fazemos de nós mesmos, descobertas, mesclando nossos segredos com coisas lidas e fazemos poesia, poema e criamos universos.

Foto: Calum MacAulay / Unsplash - 

Porém, o verso em rimas sucessivas é versalhada, o verso em ritmo é letra de música, o verso em desalinho, agressivo, coisa esbugalhada é revolta, é indignação é de palavras debandada. Ainda assim, o verso não é poesia. O verso é poesia quando é pílula que se transforma em cura, como um desabrochar de algo grande, escondido que se traduz repentino dentro de você. E você descobre o segredo que o poeta transmitiu sem nem precisar entender.

Não é coisa simples, é instante, é momento, gesto independente, dono de algumas mentes insolúveis. Verso. Verso não tem anverso, ele apenas é ele mesmo. Poucos são capazes de dizê-los, somente os poetas os seus tradutores. O verso é enigmático, está na música ou na língua paralisada que não é capaz de transcrevê-lo.

O verso não está na rima, está na imagem transbordante e a página não é suficiente para contê-lo, e o poeta, até mesmo ele, insuficiente para ser seu tradutor, por isso é conciso e de significado amplo.

Ele pousa e se aboleta, displicente nas janelas abertas, desabrochadas, como uma borboleta azul, amarela, que pousa e, suavemente, espera o momento de te deixar sem palavras.

Nilson Lattari

310 Posts

Crônicas e Contos

NILSON LATTARI é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br, vencedor duas vezes do Prêmio UFF de Literatura (2011 e 2014) e Prêmio Darcy Ribeiro (Ribeirão Preto 2014). Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em crônicas, contos e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. "Ambos levam ao infinito, porém, em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação".

Comentários