Coluna

POESIA NA REDE

Durante a pandemia, poetas paulistas, especialmente da cidade de Mogi das Cruzes, se mobilizaram para trazer arte e cultura para aqueles que se viram obrigados a se exilar em suas casas.

Ilustração: Helena Akiko Kuno
Ilustração: Helena Akiko Kuno - 

Editaram livros, escreveram poesias e criaram eventos como o ‘Poesia na Rede’ e ‘Terça Literária’, onde poetas publicam e recitam poemas que podem ser acompanhados pelas hashtag #entremeioliterário #poesianarede e #terçasliterárias .

Aqui alguns deles.

POESIA E NADA MAIS

Vivo da noite que adentra

A madrugada já mora em mim

Em meus versos feito estradas

A poesia parece não ter mais fim

Conjugo, insistentemente, um mesmo verbo

Já não soletro em pensamento

Grito alto aos quatro ventos

Há um impasse dentro de meu peito

Se arranco a erva pela raiz,

Ou se de vida a alimento

E nesse dilema o tempo passa

Desperdício de raro presente

A vida é como um rio dentro da gente

Hora transborda em abundante água,

Hora seca feito a chuva escassa

Enquanto corro e não saio do lugar

Busco em livros meu mundo inteiro

Já não conto nenhuma história

Guardo a minha em arremedos de poesia

Onde sou poema em branco dentro da noite

E nada mais me rima à luz do dia!!!

 

(Daisy Braito)

 

MEDO

Pessoas apressadas

Em várias direções

Tosses

Ilustração: Helena Akiko Kuno
Ilustração: Helena Akiko Kuno

Espirros

Na grande cidade.

 

Pessoas alertas

Em todos os cantos

Máscaras

Medo

No estreito vagão.

 

Assustados, lemos notícias

Tristes, choramos os mortos

Obedientes, seguimos

As orientações.

 

Sem abraço.

Sem beijo.

Sem aperto de mão.

Crentes, oramos por proteção.

 

(Sheila F. Kuno)

 

DESPIR-SE

Despir-se

de tecido

é fácil.

Difícil é tecer

sentimentos.

Com fio de

respeito,

paixão,

bem querer...

Fazer da palavra

pequenos botões,

que abrem-se

lentamente.

Em uma nudez

transcendental.

 

(Carla Pozo)

 

CONVITE

Hoje eu te convido.

Vem, que eu já cancelei compromissos,

fiz uns canapés,

preparei teu drinque predileto

e até já separei uns discos.

(aqueles do rei Roberto )

Fechei as cortinas,

desliguei a teve,

- que é pra dar um tom!

Arrumei minha cama,

tirei o batom,

perfumei o meu corpo e a brasa já se torna chama!

Vem…

(Maya Iglesias)

Ediel Ribeiro (RJ)

662 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários