Coluna

DE ONDE SAI O TIRO

microfone
Foto: Matthias Wagner / Unsplash - 

Juiz de Fora (MG) - Como podemos avaliar as boas intenções de alguém que se oferece para ajudar? Os golpes que o falsário pratica começam sempre com uma boa intenção, por exemplo. O principal objetivo é conquistar a confiança do outro, trazê-lo para perto de si e manter o controle sobre ele. Controlar alguém passa por um encantamento, por um tipo de bom-mocismo que encanta, que envolve, que conquista. O objetivo do falsário é encontrar pessoas ou grupos que, sem rumo, sem amor-próprio ou presos aos seus preconceitos ou ignorância, se apresentam como vítimas ideais.

A mão que oferece está sempre acima daquela que recebe. Porque a mão se estende para que o outro se fortaleça nela. Para que um golpe se consume, seja ele de qualquer perspectiva, passa por vender algo que o outro necessita, ou acha que.

É caracterizado que as táticas usadas pelos falsários são a de escolher, exatamente, o tipo de pessoa que se encontra fragilizada. Normalmente, alguém órfão que passou por uma desilusão qualquer ou viveu uma tragédia. O fragilizado é a vítima perfeita.

Não há diferença entre o falsário e o falso líder que vendem suas ideias. E essa fragilidade pode estar na ausência da reflexão do mundo por uma visão de um mundo particular, elaborado dentro de si mesmo que sirva de lugar perfeito para a sua própria exploração. Fanáticos são órfãos à procura de um líder necessário. Os temores do falsário e do líder de fanáticos é que o outro consiga ver o mundo fora das suas óticas.

Uma das melhores formas de esconder intenções está nas instituições que, por princípio, devem voltar seus objetivos para uma vida reta e honesta, visando um mundo melhor.

Nenhum dos dois se escondem nas suas próprias vidas, ou seja, eles nunca mostram o que são, onde vivem. Eles sempre vivem na vida de uma instituição, pregando aquilo em que não acreditam. No entanto, há bons e maus dentro dela. Mas nada melhor que esconder a maldade no meio da bondade. Logo, a mão que dá algum bem ao outro tem que se colocar em lugar superior: no púlpito de uma igreja, atrás de um uniforme ou na frente de uma plateia.

Toda aquele que prega o bem se aproxima do outro para ajudar, mas nem todo aquele que se presta para ajudar está, exatamente, propagando o bem.

A mão que dá é macia e silenciosa, é aconchegante e acolhedora. Ela é um porto seguro para aquele que caiu ou é órfão do mundo. Mas nós não sabemos de onde sairá o tiro que vai nos atingir, porque essa mesma mão pode ser aquela que vai cobrar o bem que ela deu. Para a mão da bondade, por consequência, seremos sempre gratos. Se ela seguir seu rumo e continuar o seu caminho, permitindo que nós sigamos o nosso pode ser que ela represente o bem em todo sentido. Mas se ela se mantém por ali vigilante, como um tipo de policiamento, a nossa mente deve estar ativa para precaver futuros perigos.

Dar sem olhar a quem é um ato profundamente cristão e louvável. Mas quantas mãos se estendem apenas porque escolhem, exatamente, um determinado perfil? O mal se disfarça no bem, porque no bem tudo cabe.

Receber também é um ato de caridade que fazemos a nós mesmos. Porém, a consciência deve estar sempre alerta, porque o perigo mora, muitas vezes, mais próximo de nós do que imaginamos.

Nilson Lattari

310 Posts

Crônicas e Contos

NILSON LATTARI é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br, vencedor duas vezes do Prêmio UFF de Literatura (2011 e 2014) e Prêmio Darcy Ribeiro (Ribeirão Preto 2014). Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em crônicas, contos e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. "Ambos levam ao infinito, porém, em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação".

Comentários