Coluna

A ARTE IMPORTA

“A Arte Importa”, o título do novo livro do celebrado Neil Gaiman  (Editora Intrínseca - 112 págs.) diz muito sobre a importância da criatividade, da liberdade de expressão e do fazer artístico no mundo.

“O mundo sempre se ilumina quando você faz algo que não existia antes.” A frase de Gaiman, no início do livro, nos mostra porque nossa imaginação e criatividade podem mudar o mundo. 

Palavras voam. E, “palavras sábias quando adornadas por imagens, parecem viajar para mais longe, como aviões de papel sendo levados pelo vento”, como disse Chris Riddell, aclamado cartunista do “The Observer” e ilustrador do livro.

LIVRO A ARTE IMPORTA
Divulgação - 

Reunindo quatro textos breves, criativos e inspiradores, o livro - pequeno e simpático - dá para ser lido de um fôlego só. No táxi, no avião ou na cama, enquanto o sono não vem. 

O primeiro texto, “Crença” é um manifesto a favor das ideias e da liberdade, escrito depois do ataque terrorista à sede do jornal satírico francês, “Charlie Hebdo”, em 7 de janeiro de 2015, em Paris. 

No segundo, “Por que nosso futuro depende das bibliotecas , leituras e devaneios”, o autor explica como ler ficção - sobretudo por prazer - pode ser um dos hábitos mais importantes que podemos adquirir.

Em “Fazendo uma cadeira”, Gaiman cria uma analogia entre fazer um livro e fazer uma cadeira. “De peça em peça, tudo vai se encaixando”, diz o escritor. O texto é um incentivo a todos que já se viram sem motivação para escrever. Gaiman acredita que fazer um livro é um pouco como fazer uma cadeira: pouco a  pouco, peça por peça,  tudo vai se encaixando.  

O último texto, “Faça boa arte”, é um compilado de seu famoso discurso na University of the Arts, na Filadélfia, publicado em 2014 em formato de livro. O texto, mais enxuto, encoraja artistas a fazer boa arte; mesmo que tenham que quebrar regras e  cometer  erros fantásticos. 

É sério.

Leve e bem humorada, a leitura do livro já valeria a pena por esse conselho do autor:

“Enquanto estiver nisso, faça a sua arte. Faça aquilo que só você pode fazer. O impulso, no começo, é copiar alguém. E isso não é ruim. Muitos de nós só encontraram a própria voz depois de soar como várias outras pessoas. MAS A ÚNICA COISA QUE SÓ VOCÊ E MAIS NINGUÉM TEM É…VOCÊ.”

Neil Gaiman é considerado um dos maiores escritores vivos. Navega por diversos gêneros. Escreve romances, graphic novels, contos e roteiros. Com mais de vinte livros publicados, já foi agraciado com diversos prêmios. Começou a carreira como jornalista, mas logo ingressou no mundo dos quadrinhos, com a aclamada série Sandman. Alguns de seus livros foram adaptados para o  cinema e a TV.

Faça arte. Ela importa.


*Livro gentilmente cedido pela editora.

Ediel Ribeiro (RJ)

662 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários