21,Nov
Coluna

MENDEZ, UM MESTRE

Rio - No final dos anos 70, quando fui trabalhar no jornal “Tribuna do Povo”, encontrei na redação, no meio de uma pilha de jornais velhos, o livro “Como Fazer Caricaturas”,  do cartunista Mendez.

Eu começava a rabiscar minhas primeiras caricaturas, e fiquei encantado com aquele livro em que o mestre capturava e passava para o leitor, com poucos traços e olhar clínico, toda sua experiência na difícil e encantadora arte da caricatura.

Perguntei ao saudoso Adolpho Xavier, fundador e editor da “Tribuna do Povo”, de quem era aquele livro: “alguém deve ter esquecido aí”, respondeu. Quando saí do jornal, levei o livro comigo.

Em 1980,  fui com ele ao lançamento do livro “Natureza Morta e Outros Desenhos”, do Chico Caruso, editado pelo “Jornal do Brasil”. 

Mendez, que também passou pelo JB, estava lá e autografou o livro para mim. 

Mário de Oliveira Mendes - que mais tarde adotaria o “z” no final do sobrenome - nasceu em 1907, em Baturité, no Ceará; aos 17 anos mudou para o Rio de Janeiro.

Iniciou sua carreira na então Capital Federal onde publicou na “Revista Musical” sua primeira caricatura, em julho de 1927.

A partir daí, colaborou com jornais “A Noite”, “Folha Carioca”, “Jornal do Brasil” e com as revistas “O Cruzeiro”, “Radiolândia”, “Revista da Semana” e “Revista do Rádio”.

Foi autor de três livros: "Tipos e Costumes dos Negros no Brasil", "Como Desenhar Caricaturas" e "Mendez, Desenhos e Caricaturas".

autocaricatura de Mendez
Original de uma autocaricatura (divulgação)

O cartunista cearense tinha um estilo limpo, econômico, inconfundível e certeiro que acabou influenciando uma geração de artistas.  Conhecido por agregar aos seus traços um humor irreverente, despertava satisfação e incômodo em muitos dos caricaturados.

Outra marca do Mendez era, muitas vezes, retratar o caricaturado com traços animalescos. Sua própria autocaricatura, lembra um cachorro.

Isso, muitas vezes despertava incômodo em muitos dos caricaturados.

Houve até quem tentasse impedir a publicação de sua caricatura, caso do cantor Orlando Silva que, ao ser caricaturado como um carneiro, chegou a oferecer dinheiro para que a caricatura não fosse publicada.

Mendez não aceitou e publicou-a provocando a ira e o ressentimento do cantor.

A cantora Dalva de Oliveira, outra “vítima” de suas caricaturas, chegou a se negar a estender-lhe a mão, quando foram apresentados.

Outras personalidades, no entanto, gostavam de se ver retratados com o traço de Mendez. Entre elas, Getúlio Vargas, Ângela Maria e Portinari. 

O ex-presidente tinha o hábito de guardar as caricaturas que faziam dele. Mas a preferida da coleção era uma de Mendez, publicada na revista “Vamos Ler”, de 1946. 

Até Harry Truman rendeu-se ao talento de Mendez. Durante a Segunda Guerra Mundial, ao participar de uma conferência em Petrópolis, o então presidente americano não escapou do traço do artista cearense.

Na mesma ocasião, a primeira-dama argentina Eva Perón também foi caricaturada. Além de elogiar o trabalho de Mendez, Evita deixou seu autógrafo na obra.

“O desenho de humor é muito mais livre que uma foto ou um filme. O humor pode usar a linguagem da fantasia, do surrealismo, pode fazer sínteses impossíveis por outros meios, desvelar mecanismos escondidos, abrir as cabeças por meio do riso”, dizia o artista.

Além da caricatura, Mendez dedicou-se à pintura, principalmente no fim de sua carreira. “A gente nasce caricaturista, vira desenhista e morre pintor”, dizia. 

Mesmo com a idade avançada, Mendez continuou produzindo. Ficava no ateliê de 8 às 17 horas. Desenhava, pintava e fazia caricaturas. 

Sua produção só foi interrompida pela morte, em 1996 aos 88 anos.

Ediel Ribeiro (RJ)

138 Posts

Coluna do Ediel

Ediel Ribeiro é carioca. Jornalista, cartunista e escritor. Co-autor (junto com Sheila Ferreira) do romance "Sonhos são Azuis". É colunista dos jornais O Dia (RJ) e O Folha de Minas (MG). Autor da tira de humor ácido "Patty & Fatty" publicadas nos jornais "Expresso" (RJ) e "O Municipal" (RJ) e Editor dos jornais de humor "Cartoon" e "Hic!". O autor mora atualmente no Rio de Janeiro, entre um bar e outro.

Comentários