14,Oct
Saúde

Cientistas criam exame de sangue que aponta risco de convulsão

A descoberta poderá levar ao desenvolvimento de um sistema de alerta precoce capaz de beneficiar principalmente epilépticos

Marion Hogg detectou aumento de partículas de RNA na corrente sanguínea um pouco antes da complicação (Foto: Maxwell Photography/Divulgacao)

Pesquisadores da Irlanda detectaram um padrão de aparecimento de moléculas na corrente sanguínea pouco antes da ocorrência de uma crise convulsiva. Segundo eles, há aumento de fragmentos de RNA no sangue minutos antes da complicação. A descoberta, detalhada recentemente no Journal of Clinical Investigation, poderá levar ao desenvolvimento de um sistema de alerta precoce capaz de beneficiar principalmente epilépticos.

“Pessoas com epilepsia relatam frequentemente que um dos aspectos mais difíceis de conviver com a doença é nunca saber quando uma convulsão ocorrerá”, justifica Marion Hogg, professora honorária do Royal College of Surgeons (RCSI, na sigla em inglês) e principal autora do estudo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a epilepsia acometa 50 milhões de pessoas no mundo.

Para chegar à conclusão, a equipe fez o sequenciamento de RNA em amostras de plasma de voluntários saudáveis e em amostras coletadas de pessoas com epilepsia antes e depois de terem sofrido uma convulsão. “Nós procuramos por moléculas de RNA de transferência (tRNA) e encontramos três que eram mais altas nas amostras coletadas uma hora antes da convulsão do que nas coletadas após ou naquelas de pessoas sem epilepsia”, conta Marion Hogg.

Segundo os cientistas, esse processo acontece porque as células estão estressadas, e as moléculas são cortadas em fragmentos de RNAs de transferência, as tRNAs, um produto químico intimamente relacionado ao DNA e que desempenha papel importante na construção de proteínas dentro das células.

Dessa forma, níveis mais altos dos fragmentos no sangue podem refletir que as células cerebrais estão sob estresse durante um evento convulsivo. “Os resultados desse estudo são muito promissores. Esperamos que nossa pesquisa de tRNA seja um primeiro passo fundamental para o desenvolvimento de um sistema de alerta precoce”, frisa Marion Hogg.

Os pesquisadores cogitam a criação de um dispositivo que sirva de alerta para epilépticos, considerando os níveis dos fragmentos de RNA no sangue. “Com base nessa pesquisa, esperamos desenvolver um protótipo de teste, semelhante a um monitor de glicemia, que possa prever quando uma convulsão pode ocorrer”, diz David Henshall, professor de fisiologia molecular e neurociência no RCSI e coautor do artigo.

Mais vulneráveis

Um dispositivo do tipo resultaria em ganhos de qualidade de vida. A imprevisibilidade das convulsões deixa os epilépticos mais fragilizados, mostrou um estudo da Aarhus University, na Dinamarca, divulgado no mês passado. “Pessoas com epilepsia e esquizofrenia são particularmente vulneráveis. Há certamente espaço para melhorias na maneira como o sistema de saúde lida com elas e com o tratamento a elas oferecido”, ressalta, em comunicado, Jakob Christensen, um dos pesquisadores que participou do estudo.

A equipe acompanhou 1,5 milhão de pessoas diagnosticadas com epilepsia, esquizofrenia, as duas doenças ou nenhuma delas antes de completarem 25 anos. A taxa de mortalidade aos 50 anos foi de 3,1% para os voluntários saudáveis, de 10,7% para epilép-ticos, de 17,4% para esquizofrênicos e de 27,2% para os que tinham as duas complicações.

50 milhões: Estimativa de pessoas com epilepsia no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Comentários