Coluna

O IGNORANTE E O SÁBIO

Juiz de Fora (MG) - Não sei se o melhor título seria este. Não se trata de confrontar o sábio e o ignorante, assunto por demais debatido. São clichês. No entanto, acompanhamos em nossa sociedade uma verdadeira enxurrada de ignorância. No sentido não da burrice, mas de ignorar fatos e tentar construir realidades que não existem. Somente existem nas cabeças dos preguiçosos e daqueles que têm medo do outro, no sentido que possa desarticular suas visões particulares de mundo..

Esse outro seria aquele que lê e procura as informações dentro dos canais, reconhecidamente factíveis, baseadas em fatos. 

Vocês notaram que a primeira atitude do ignorante é atacar os mais doutos, os mais estudiosos, as universidades, os cientistas renomados e dedicados? Até mesmo pares desses doutores são detentores de títulos honoríficos, mas são certificados vazios, meros títulos, onde o conteúdo foi preenchido por preconceitos e ignorância. E uma das suas características é mostrar uma erudição da qual não fazem a menor ideia. São presunçosos e invejosos, e no fundo apenas preguiçosos.

Foto: Cliff Johnson na Unsplash - 

Não observamos, mas isso vem desde os tempos de colégio, onde os mais dotados e dedicados eram qualificados como CDFs, sofriam bullyings, assédios, apupos e eram ridicularizados. Não por todos, é claro, mas por um grupo desafeto do saber.

A ignorância mostra seu temor desde os tenros tempos da juventude. Foi e é a única maneira de mostrar alguma superioridade pelo lado físico e intimidatório como a tentativa de calar o outro.

A característica do sábio vem desde o princípio, quando se calava porque era ameaçado e depois se cala porque não vê nenhum sentido em alimentar uma conversa que a ele nada acrescentará. É como dar pérolas aos porcos.

Assim como a superioridade em idos tempos era exercida pela força física e pelo silêncio impostos, adultos esses se transformam em ditadores e produtores de mentiras para alimentar sua própria realidade.

Isso acontece no mundo todo. É mais fácil para o ignorante transformar o mundo em uma ilha da fantasia do que enfrentar a realidade, e tentar superar seus próprios defeitos.

O ignorante admira e tem medo daquele que tenta se ajustar ao mundo, absorvendo todo o conhecimento possível, e mudando sua forma de pensar o mundo, à medida que as realidades são transformadas. Por mais que o ignorante grite ele não consegue interromper o silêncio do outro. Um silêncio é mais constrangedor do que uma admoestação pública.

Ao sábio resta rir por dentro e colocar palavras, como um jogo de xadrez, que brincam com as peças antes do xeque-mate. Lutar contra a ignorância é uma luta árdua porque a quantidade do inimigo intimida.

O ignorante tenta se mostrar sábio o suficiente para intimidar o sábio que o ignora, porque já é um derrotado antes mesmo de a batalha começar.

Nilson Lattari

310 Posts

Crônicas e Contos

NILSON LATTARI é carioca e atualmente morando em Juiz de Fora (MG). Escritor e blogueiro no site www.nilsonlattari.com.br, vencedor duas vezes do Prêmio UFF de Literatura (2011 e 2014) e Prêmio Darcy Ribeiro (Ribeirão Preto 2014). Finalista em livro de contos no Prêmio SESC de Literatura 2013 e em romance no Prêmio Rio de Literatura 2016. Menções honrosas em crônicas, contos e poesias. Foi operador financeiro, mas lidar com números não é o mesmo que lidar com palavras. "Ambos levam ao infinito, porém, em veículos diferentes. As palavras, no entanto, são as únicas que podem se valer da imaginação para um universo inexato e sem explicação".

Comentários