11/07/2017 10h33

STJ nega habeas corpus a homem que tatuou "eu sou ladrão e vacilão" na testa de adolescente

Compartilhe

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou um pedido liminar de liberdade para Ronildo Moreira de Araújo, o homem que tatuou a testa de um adolescente com a frase "eu sou ladrão e vacilão".  A decisão foi publicada nesta segunda-feira, 10.

A defesa de Ronildo alegou não haver elementos concretos que justificassem a manutenção do cárcere provisório, porém a ministra Laurita Vaz lembrou que a Justiça de São Paulo, ao negar um primeiro pedido de habeas corpus, já havia ressaltado a gravidade dos crimes e destacado que as imagens mostraram a incapacidade de o adolescente resistir.

"Assim, a prisão preventiva do paciente não padece de falta de fundamentação. Pelo contrário, demonstra o decreto constritivo a necessidade da medida, mormente pela garantia da ordem pública, dada a crueldade com que as ações do agente foram praticadas e as circunstâncias fáticas do caso, que denotam periculosidade e insensibilidade do paciente", concluiu a ministra ao indeferir o pedido.

Entenda o caso

Após suspeitar que o adolescente furtaria uma bicicleta, Ronildo juntamente com outro homem, trancou o adolescente em um quarto e o obrigou a ficar sentado em uma cadeira até que o procedimento fosse concluído. A ação foi filmada e divulgada nas redes sociais.

É permitida a reprodução desde que citada a fonte e não alterado o texto.

Comente esta notícia

SE VOCÊ NÃO TEM FACEBOOK, UTLIZE O FORMULÁRIO ABAIXO PARA COMENTAR.

18/07/2017 Ferreira: Se o suposto "adolescente" tivesse realizado um latrocínio, ainda seria protegido pela frágil justiça brasileira.

Leia também